Tratamento de gordura corporal e um errinho básico

Eu sou meio assim: quando acho uma coisa legal em um site vou logo copiando e compartilhando com todo mundo rsrsrs…

Encontrei esse artigo bem bacana escrito por João Tassinary no site dele e copio na íntegra para vocês lerem.

No final tem a referência do local de onde tirei também:

 

Um dos maiores erros em tratamentos de Gordura Corporal

Acredito que um dos grandes erros hoje de maior parte dos profissionais que tratam gordura corporal com princípios ativos lipolíticos ou recursos de eletroterapia que estimulam a lipólise é POSTERIORMENTE NÃO PROPICIAR A OXIDAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS.   

É importante frisar que a redução ponderal ou de gordura corporal são objetivos muito comuns, pois além da mudança estética, elas proporcionam vários benefícios, como redução da pressão arterial, regulação dos níveis glicêmicos entre outros.

Dentro da área da dermato existe um dilema em relação a como proceder após a utilização destas diversas técnicas que estimulam a lipólise, normalmente os profissionais ficam em dúvida entre técnicas manuais como DLM ou massagem modeladora, ou ainda recursos como plataforma vibratória ou corrente russa.

trajetoria acido graxo

Como a ilustração acima mostra, os tratamentos que nós da área estética aplicamos, geram a lipólise e consequentemente a liberação do ácido graxo. Este se não for devidamente metabolizado tem grandes chances de ser reabsorvido pelo organismo. CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR.

Segundo a literatura os ácidos gordos concebem a maior reserva de energia do organismo, sendo encontrada na forma de triacilgliceróis no tecido adiposo e no plasma e na forma de ácidos graxos livres no sangue. Cada triacilglicerol é formado por uma molécula de glicerol e três de ácidos graxos ligados entre si por ligações éster, daí também serem chamados de ácidos graxos esterificados. Dentro deste contexto, quando ocorre uma ruptura na homeostasia lipídica, ou seja, desequilíbrio na entre a quantidade de energia ingerida e otimizada, essas excessivas proteínas e carboidratos da dieta são rapidamente convertidas a ácidos graxos e armazenados como triacilgliceróis.

Um método simples e comprovado para metabolizar os ácidos graxos!

Minha dica é simples e com resultados comprovados… e ainda estão dentro dos recursos descritos como EFICIENTES, ou seja, é efetivo e economicamente vantajoso.

É fundamental que após algum tratamento estético que estimule a lipólise, o paciente seja submetido a alguma atividade física que metabolize este ácido graxo recentemente liberado, do contrário, a probabilidade deste ácido graxo voltar a ser armazenado é enorme. A atividade física principalmente se for aeróbia, induz ao aumento da densidade de capilares no tecido adiposo, assim como sua capacidade de oxidação dos ácidos graxos.

exercicios fisicos

Conscientize o seu paciente da importância de incluir os exercícios na sua rotina.

É importante lembrar que este processo é cíclico e vicioso, ou seja, quanto maior for o nível de treinamento aeróbio do indivíduo, maior será sua capacidade de utilização de gordura como fonte de energia, este processo está diretamente relacionado à aquisição celular de novas mitocôndrias e enzimas críticas do Ciclo de Krebs, conseqüências do treino aeróbio. Segundo estudos recentes, um aumento na quantidade de mitocôndrias e o incremento de seu volume proporcionam uma área de superfície maior para o recebimento de ácidos graxos e maior capacidade de utilizá-los.

Conclusão

Seja um mentor para o seu paciente, explique para ele como funciona o seu metabolismo e o quão importante é que ele associe tratamentos estéticos a uma rotina de exercícios físicos, como acabamos de ver no texto acima. Isto vai impulsionar os seus resultados de forma fantástica e trazer muito mais credibilidade e confiança para o seu trabalho como profissional. Como sempre enfatizo, o tratamento estético é MULTIDISCIPLINAR, e um dos maiores diferenciais do profissional de estética hoje é a capacidade de manter o seu paciente focado e engajado no tratamento!

REFERÊNCIAS

ROBERGS, R. A. Princípios |Fundamentais de Fisiologia do Exercício: para aptidão,
desempenho e saúde. São Paulo : Phorte, 2002
GUYTON, A.C. & HALL, J. Tratado de Fisiologia Médica. 10. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2002.
NELSON, D.L. & COX, M.M. Lehninger princípios de bioquímica. 3. ed. São Paulo:
Sarvier, 2002.
NOVAS, A.M.; ROWBOTTOM, D.G; & JENKINS, D.G. A practical method of estimating energy expenditure during tennis play. J. Sci. Med. Sport., 6:40-50, 2003.

http://joaotassinary.com.br/um-dos-maiores-erros-em-tratamentos-de-gordura-corporal/

2 comentários sobre “Tratamento de gordura corporal e um errinho básico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *