Arquivo da tag: flacidez tissular

CARBOXITERAPIA: DÚVIDAS MAIS FREQUENTES

 

Considerada ainda como um dos tratamentos queridinhos da estética,  a famosa carboxiterapia, técnica que surgiu na França em meados de 1930 e que consiste em aplicações de injeção de gás carbônico medicinal sob a pele, ainda traz consigo muitas dúvidas sobre suas indicações, eficácia e possíveis complicações decorrentes do uso da técnica.
Confira abaixo algumas informações e esclareça algumas dúvidas sobre a carboxiterapia:

Quais são as principais indicações da Carboxiterapia?

FACE:
• Linhas de expressão e sulcos
• Flacidez Tissular
• Redução de gordura (papada)
• Olheiras (clareamento)
• Cicatrizes (acne)
• Pós operatório (melhora o aspecto da cicatriz)
• Capilar (oxigena o bulbo capilar estimulando o crescimento dos fios)
CORPO:
• Gordura localizada
• Celulite
• Estrias
• Flacidez Tissular
• Pós operatório (melhora a cicatrização e evita a formação de fibroses)

Como o CO2 age no organismo?
O2 e CO2 possuem afinidade pela hemoglobina presente no sangue. Mas uma vez injetado no tecido essa afinidade do CO2 é maior do que a do O2 e o aumento da concentração do mesmo diminui o ph e libera o oxigênio para os tecidos tornando-o mais oxigenado, nutrido, melhorando a circulação sanguínea, estimulando a produção de colágeno e aumentando o metabolismo local (que induz a lipólise).
Por conta de tantos efeitos associados é que a carboxiterapia possui ampla aplicação de diversos distúrbios estéticos como já citado anteriormente.

Carboxiterapia dói?
A entrada do gás sob a pele causa um ligeiro descolamento da pele, então a resposta para a pergunta acima é SIM, a carboxiterapia dói. Porém os parâmetros de dor são muito relativos de pessoa para pessoa  e em geral a sensação é de um desconforto suportável e que compensa! Hoje já existem, no entanto, maneiras de minimizar a sensação dolorosa como utilizando equipamentos com gás aquecido (como o ARES da Ibramed) e administrar menores quenatidades de gás nas primeiras aplicações, aumentando conforme a tolerância do paciente.

É normal a área ficar inchada após as aplicações de carboxiterapia?
Sim, a distensão tecidual é normal, mas o gás carbônico medicinal é de fácil difusão e em poucos minutos ou horas tanto a sensação de desconforto quanto o inchaço tendem a desaparecer.

E o gás aquecido? Por que ele é considerado melhor do que o frio?
O gás aquecido é vasodilatador, seus efeitos fisiológicos são mais assimilados pelo organismo e por isso o gás se difunde (espalha) melhor pelo tecido trazendo melhores resultados. Além disso a sensação dolorosa também é menor para o paciente.

O gás carbônico pode provocar embolia?
Não, o gás carbônico medicinal não é tóxico e nem embólico, PORÉM, antes de submeter a aplicações de carboxiterapia é necessária uma minuciosa avaliação, bem como observar as contra-indicações da técnica.

Contra indicações. Quais são?
• Alergias e dermatites
• Gravidez
• Insuficiências pulmonares e cardíacas
• Histórico de problemas venosos e arteriais
• Insuficiências renal e hepática
• Diabetes
• Epilepsia
• Lúpus Eritematoso Sistêmico
• Distúrbios de coagulação
• Distúrbios de colágeno (quelóides e outros)

Podem surgir hematomas na pele após a aplicação?
Sim, podem surgir. Durante a punturação algumas vezes pode haver ruptura de microvasos que deixam “roxinhos” na pele.

Quantas sessões devem ser feitas para se obter bons resultados?
O número ideal de sessões vai sempre depender dos objetivos do indivíduo . Em geral são fechadas 10 sessões realizadas de 1 a 2x na semana (celulite e gordura) e a cada 10 ou 15 dias (no caso de estrias e facial). O valor médio da sessão é em torno de R$100,00 por área.

Posso fazer outros tratamentos estéticos para potencializar o efeito da carboxiterapia?
Deve! Associações com endermologia, ultrassom de alta potência ou cavitacional, radiofrequência  entre outros, potencializam o efeito da técnica.
Mas ATENÇÃO: Procure sempre um profissional qualificado e especializado na técnica, só ele saberá te dizer, após uma avaliação, qual a melhor associação a ser feita no seu caso, garantindo assim a sua segurança e a eficácia do procedimento.
E aí meninas? Ainda restaram dúvidas? Espero os comentários de vocês!

Bjinhos